pesquise na Web

Carregando...

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Como se faz uma hermenêutica II. A ressurreição de Lázaro


Daniel Nonato    
1 - Escolher o texto:
Texto do Evangelho de Jesus Cristo Segundo  João: 11,1-44
2 - Justificar a escolha
 A pericope é uma indicação para conclusão do I semestre de 2012  do Curso de Teologia  Pastoral do IFITEPS na disciplina Escritos Joaninos 
3 - Tradução (comparação das versões)
Vamos utilizar  4 traduções do Texto  que são:
  •   Biblia  da  CNBB / Português.
  •   Biblia da  Editora  Ave Maria – Português.
  •   Biblia de  Jerusalém - Português.
  •   Biblia  Almeida atualizada – Português.
Analisemos  o tempo do verbo e  outros detalhes  comparando os versículos  nas quatro traduções  da língua portuguesa apresentadas no quadro abaixo. 
Observemos que alguns versículos  apresentam diferenças seja na palavra, no tempo verbal etc: 

Vers
CNBB
Ave Maria
Jerusalém
Almeida
1
Ora, havia um doente, Lázaro, de Betânia, do povoado de Marta e de Maria, sua irmã.

Lázaro caiu doente em Betânia, onde estavam Maria e sua irmã Marta
Havia um doente, Lázaro, de Betânia, povoado de Maria e de sua irmã Marta.
Ora, estava enfermo um homem chamado Lázaro, de Betânia, aldeia de Maria e de sua irmã Marta.   

2
( Maria é aquela que ungiu o Senhor com perfume e enxugou seus pés com os cabelos. Lázaro, seu irmão, é quem estava doente. )

Maria era quem ungira o Senhor com o óleo perfumado e lhe enxugara os pés com os seus cabelos. E Lázaro, que estava enfermo, era seu irmão.

Maria era aquela que ungira o Senhor com bálsamo e lhe enxugara os pés com seus cabelos. Seu irmão Lázaro se achava doente. 

. E Maria, cujo irmão Lázaro se achava enfermo, era a mesma que ungiu o Senhor com bálsamo, e lhe enxugou os pés com os seus cabelos.   

3
As irmãs mandaram avisar Jesus: “Senhor, aquele que amas está doente”.
Suas irmãs mandaram, pois, dizer a Jesus: Senhor, aquele que tu amas está enfermo.

As duas irmãs mandaram, então, dizer a Jesus: "Senhor, aquele que amas está doente".

Mandaram, pois, as irmãs dizer a Jesus: Senhor, eis que está enfermo aquele que tu amas.   

4
Ouvindo isso, disse Jesus: “Esta doença não leva à morte, mas é para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela”.

A estas palavras, disse-lhes Jesus: Esta enfermidade não causará a morte, mas tem por finalidade a glória de Deus. Por ela será glorificado o Filho de Deus.

A essa notícia, Jesus disse: "Essa doença não é mortal, mas para a glória de Deus, para que, por ela, seja glorificado o Filho de Deus".

Jesus, porém, ao ouvir isto, disse: Esta enfermidade não é para a morte, mas para glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela.   

5
Jesus tinha muito amor a Marta, à sua irmã Maria e a Lázaro.
Ora, Jesus amava Marta, Maria, sua irmã, e Lázaro
Ora, Jesus amava Marta, Maria, sua irmã, e Lázaro
Ora, Jesus amava Marta, Maria, sua irmã, e Lázaro
6
Depois que ele soube que este estava doente, permaneceu ainda dois dias no lugar onde estava.

Mas, embora tivesse ouvido que ele estava enfermo, demorou-se ainda dois dias no mesmo lugar.

Quando soube que este se achava doente, permaneceu ainda dois dias no lugar em que se encontrava; 

Quando, pois, ouviu que estava enfermo, ficou ainda dois dias no lugar onde se achava.   

7
Depois, falou aos discípulos: “Vamos, de novo, à Judéia”. 

Depois, disse a seus discípulos: Voltemos para a Judéia.
Só depois, disse aos discípulos: "Vamos outra vez até a Judéia!" 
Depois disto, disse a seus discípulos: Vamos outra vez para Judéia
8
Os discípulos disseram-lhe: “Rabi, ainda há pouco os judeus queriam apedrejar-te, e agora vais outra vez para lá?”

Mestre, responderam eles, há pouco os judeus te queriam apedrejar, e voltas para lá?

Seus discípulos disseram-lhe: "Rabi, há pouco os judeus procuravam apedrejar-te e vais outra vez para lá?" 
Disseram-lhe eles: Rabi, ainda agora os judeus procuravam apedrejar-te, e voltas para lá?   

9
Jesus respondeu: “O dia não tem doze horas? Se alguém caminha de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo. 

Jesus respondeu: Não são doze as horas do dia? Quem caminha de dia não tropeça, porque vê a luz deste mundo. 
Respondeu Jesus: "Não são doze as horas do dia? Se alguém caminha durante o dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo; 

Respondeu Jesus: Não são doze as horas do dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo;   

10
Mas, se caminha de noite, tropeça, porque lhe falta a luz”. 
Mas quem anda de noite tropeça, porque lhe falta a luz.

mas se alguém caminha à noite, tropeça, porque a luz não está nele". "Disse isso e depois acrescentou: "Nosso amigo Lázaro dorme, mas vou despertá-lo".

mas se andar de noite, tropeça, porque nele não há luz. 
11
E acrescentou ainda: “Nosso amigo Lázaro está dormindo. Mas, eu vou acordá-lo”.

Depois destas palavras, ele acrescentou: Lázaro, nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo
Algumas traduções antigas não possui o versiculo 11  vem anexado ao 10
E, tendo assim falado, acrescentou: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono.   
12
Os discípulos disseram: “Senhor, se está dormindo, vai ficar curado”. 
Disseram-lhe os seus discípulos: Senhor, se ele dorme, há de sarar
Os discípulos responderam: "Senhor, se ele está dormindo, vai se salvar!"
Disseram-lhe, pois, os discípulos: Senhor, se dorme, ficará bom.   
13
Jesus falava da morte de Lázaro, mas os discípulos pensaram que ele estivesse falando do sono mesmo. 
Jesus, entretanto, falara da sua morte, mas eles pensavam que falasse do sono como tal
Jesus, porém, falara de sua morte e eles julgaram que falasse do repouso do sono. 

Mas Jesus falara da sua morte; eles, porém, entenderam que falava do repouso do sono.   
14
Jesus então falou abertamente: “Lázaro morreu! 
.Então Jesus lhes declarou abertamente: Lázaro morreu
Então Jesus lhes falou claramente: "Lázaro morreu. 
.  Então Jesus lhes disse claramente: Lázaro morreu;   
15
E, por causa de vós, eu me alegro por não ter estado lá, pois assim podereis crer. Mas vamos a ele”. 
Alegro-me por vossa causa, por não ter estado lá, para que creiais. Mas vamos a ele. 

Por vossa causa, alegro-me de não ter estado lá, para que creiais. Mas vamos para junto dele!" 
e, por vossa causa, folgo de que eu lá não estivesse, para para que creiais; mas vamos ter com ele.   
16
Tomé ( cujo nome significa Gêmeo ) disse aos companheiros: “Vamos nós também, para morrermos com ele!” 
A isso Tomé, chamado Dídimo, disse aos seus condiscípulos: Vamos também nós, para morrermos com ele. 
Tomé, chamado Dídimo, disse então aos outros discípulos: "Vamos também nós, para morrermos com ele!" 
Disse, pois, Tomé, chamado Dídimo, aos seus condiscípulos: Vamos nós também, para morrermos com ele.   

17
Quando Jesus chegou, encontrou Lázaro já sepultado, havia quatro dias. 
À chegada de Jesus, já havia quatro dias que Lázaro estava no sepulcro. 
.Ao chegar, Jesus encontrou Lázaro já sepultado havia quatro dias. 
Chegando pois Jesus, encontrou-o já com quatro dias de sepultura.   
18
Betânia ficava a uns três quilômetros de Jerusalém. 

Ora, Betânia distava de Jerusalém cerca de quinze estádios. 
Betânia ficava perto de Jerusalém, a uns quinze estádios. 
Ora, Betânia estava de Jerusalém cerca de quinze estádios
19
Muitos judeus tinham ido consolar Marta e Maria pela morte do irmão. 
Muitos judeus tinham vindo a Marta e a Maria, para lhes apresentar condolências pela morte de seu irmão. 
Muitos judeus tinham vindo até Marta e Maria, para as consolar da perda do irmão. 

E muitos dos judeus tinham vindo visitar Marta e Maria, para consolá-las acerca de seu irmão.   
20
Logo que Marta soube que Jesus tinha chegado, foi ao encontro dele. Maria ficou sentada, em casa. 

Mal soube Marta da vinda de Jesus, saiu-lhe ao encontro. Maria, porém, estava sentada em casa. 

Quando Marta soube que Jesus chegara, saiu ao seu encontro; Maria, porém, continuava sentada, em casa. 
Marta, pois, ao saber que Jesus chegava, saiu-lhe ao encontro; Maria, porém, ficou sentada em casa.   

21
Marta, então, disse a Jesus: “Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido. 

Marta disse a Jesus: Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido! 

Então, disse Marta a Jesus: "Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. 

Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se meu irmão não teria morrido
22
Mesmo assim, eu sei que o que pedires a Deus, ele te concederá”. 
Mas sei também, agora, que tudo o que pedires a Deus, Deus to concederá. 
Mas ainda agora sei que tudo o que pedires a Deus, ele te concederá". 
E mesmo agora sei que tudo quanto pedires a Deus, Deus to concederá.   
23
Jesus respondeu: “Teu irmão ressuscitará”. 
Disse-lhe Jesus: Teu irmão ressurgirá. 
Disse-lhe Jesus: "Teu irmão ressuscitará". 
. Respondeu-lhe Jesus: Teu irmão há de ressurgir.   
24
Marta disse: “Eu sei que ele vai ressuscitar, na ressurreição do último dia”. 
Respondeu-lhe Marta: Sei que há de ressurgir na ressurreição no último dia
."Sei, disse Marta, que ele ressuscitará na ressurreição, no último dia!" 
Disse-lhe Marta: Sei que ele há de ressurgir na ressurreição, no último dia.   
25
Jesus disse então: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que tenha morrido, viverá. 

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. 

Disse-lhe Jesus:"Eu sou a ressurreição. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá.
Declarou-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que morra, viverá;   

26
E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá jamais. Crês nisto?” 
E todo aquele que vive e crê em mim, jamais morrerá. Crês nisto? 

E quem vive e crê em mim jamais morrerá. Crês nisso?" 
e todo aquele que vive, e crê em mim, jamais morrerá. Crês isto?   
27
Ela respondeu: “Sim, Senhor, eu creio firmemente que tu és o Cristo, o Filho de Deus, aquele que deve vir ao mundo”. 

Respondeu ela: Sim, Senhor. Eu creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, aquele que devia vir ao mundo. 
Disse ela: "Sim, Senhor, eu creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus que vem ao mundo". 

Respondeu-lhe Marta: Sim, Senhor, eu creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo.   
28
Tendo dito isso, ela foi chamar Maria, sua irmã, dizendo baixinho: “O Mestre está aí e te chama”. 
A essas palavras, ela foi chamar sua irmã Maria, dizendo-lhe baixinho: O Mestre está aí e te chama. 

Tendo dito isso, afastou-se e chamou sua irmã Maria, dizendo baixinho: "O Senhor está aqui e te chama!" 

Dito isto, retirou-se e foi chamar em segredo a Maria, sua irmã, e lhe disse: O Mestre está aí, e te chama.   
29
Quando Maria ouviu isso, levantou-se depressa e foi ao encontro de Jesus. 
Apenas ela o ouviu, levantou-se imediatamente e foi ao encontro dele. 
Esta, ouvindo isso, ergueu-se logo e foi ao seu encontro.
. Ela, ouvindo isto, levantou-se depressa, e foi ter com ele.   
30
Jesus ainda estava fora do povoado, no mesmo lugar onde Marta o tinha encontrado. 

.(Pois Jesus não tinha chegado à aldeia, mas estava ainda naquele lugar onde Marta o tinha encontrado.) 

Jesus não entrara ainda no povoado, mas estava no lugar em que Marta o fora encontrar. 

Pois Jesus ainda não havia entrado na aldeia, mas estava no lugar onde Marta o encontrara.   

31
Os judeus que estavam com Maria na casa consolando-a, viram que ela se levantou depressa e saiu; e foram atrás dela, pensando que fosse ao túmulo para chorar.

Os judeus que estavam com ela em casa, em visita de pêsames, ao verem Maria levantar-se depressa e sair, seguiram-na, crendo que ela ia ao sepulcro para ali chorar. 

Quando os judeus, que estavam na casa com Maria, consolando-a, viram-na levantar-se rapidamente e sair, acompanharam-na, julgando que fosse ao sepulcro para aí chorar
Então os judeus que estavam com Maria em casa e a consolavam, vendo-a levantar-se apressadamente e sair, seguiram-na, pensando que ia ao sepulcro para chorar ali.   

32
Maria foi para o lugar onde estava Jesus. Quando o viu, caiu de joelhos diante dele e disse-lhe: “Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido”.

Quando, porém, Maria chegou onde Jesus estava e o viu, lançou-se aos seus pés e disse-lhe: Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido! 

Chegando ao lugar onde Jesus estava, Maria, vendo-o, prostrou-se a seus pés e lhe disse: "Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido". 

Tendo, pois, Maria chegando ao lugar onde Jesus estava, e vendo-a, lançou-se aos pés e disse: Senhor, se tu estiveras aqui, meu irmão não teria morrido.   
33
Quando Jesus a viu chorar, e os que estavam com ela, comoveu-se interiormente e perturbou-se.

Ao vê-la chorar assim, como também todos os judeus que a acompanhavam, Jesus ficou intensamente comovido em espírito. E, sob o impulso de profunda emoção, 

Quando Jesus a viu chorar e também os judeus que a acompanhavam, comoveu-se interiormente e ficou conturbado. 

Jesus, pois, quando a viu chorar, e chorarem também os judeus que com ela vinham, comoveu-se em espírito, e perturbou-se,   

34
Ele perguntou: “Onde o pusestes?” Responderam: “Vem ver, Senhor!”
perguntou: Onde o pusestes? Responderam-lhe: Senhor, vinde ver. 

E perguntou: "Onde o colocastes?" Responderam-lhe: "Senhor, vem e vê!"

e perguntou: Onde o puseste? Responderam-lhe: Senhor, vem e vê.   

35
Jesus derramou lágrimas.
Jesus pôs-se a chorar. 
Jesus chorou. 
Jesus chorou.   

36
Os judeus então disseram: “Vede como ele o amava!”

Observaram por isso os judeus: Vede como ele o amava! 
Diziam, então, os judeus: "Vede como ele o amava!"

Disseram então os judeus: Vede como o amava.   
37
Alguns deles, porém, diziam: “Este, que abriu os olhos ao cego, não podia também ter feito com que Lázaro não morresse?”
Mas alguns deles disseram: Não podia ele, que abriu os olhos do cego de nascença, fazer com que este não morresse? 

Alguns deles disseram: "Esse, que abriu os olhos do cego, não poderia ter feito com que ele não morresse?" 

Mas alguns deles disseram: Não podia ele, que abriu os olhos ao cego, fazer também que este não morresse?   

38
De novo, Jesus ficou interiormente comovido. Chegou ao túmulo. Era uma gruta fechada com uma pedra. 

Tomado, novamente, de profunda emoção, Jesus foi ao sepulcro. Era uma gruta, coberta por uma pedra. 

Comoveu-se de novo Jesus e dirigiu-se ao sepulcro. Era uma gruta, com uma pedra sobreposta. 

Jesus, pois, comovendo-se outra vez, profundamente, foi ao sepulcro; era uma gruta, e tinha uma pedra posta sobre ela.   

39
Jesus disse: “Tirai a pedra!” Marta, a irmã do morto, disse-lhe: “Senhor, já cheira mal: é o quarto dia”. 

Jesus ordenou: Tirai a pedra. Disse-lhe Marta, irmã do morto: Senhor, já cheira mal, pois há quatro dias que ele está aí... 

Disse Jesus: "Retirai a pedra!" Marta, a irmã do morto, disse-lhe: "Senhor, já cheira mal: é o quarto dia!" 

Disse Jesus: Tirai a pedra. Marta, irmã do defunto, disse- lhe: Senhor, já cheira mal, porque está morto há quase quatro dias.   

40
Jesus respondeu: “Não te disse que, se creres, verás a glória de Deus?”

Respondeu-lhe Jesus: Não te disse eu: Se creres, verás a glória de Deus? Tiraram, pois, a pedra.

Disse-lhe Jesus: "Não te disse que, se creres, verás a glória de Deus?"
Respondeu-lhe Jesus: Não te disse que, se creres, verá a glória de Deus?   

41
Tiraram então a pedra. E Jesus, levantando os olhos para o alto, disse: “Pai, eu te dou graças porque me ouviste!

Levantando Jesus os olhos ao alto, disse: Pai, rendo-te graças, porque me ouviste.

Retiraram, então, a pedra. Jesus ergueu os olhos para o alto e disse: "Pai, dou-te graças porque me ouviste.

Tiraram então a pedra. E Jesus, levantando os olhos ao céu, disse: Pai, graças te dou, porque me ouviste.   

42
Eu sei que sempre me ouves, mas digo isto por causa da multidão em torno de mim, para que creia que tu me enviaste”.

Eu bem sei que sempre me ouves, mas falo assim por causa do povo que está em roda, para que creiam que tu me enviaste.

Eu sabia que sempre me ouves; mas digo isso por causa da multidão que me rodeia, para que creiam que me enviaste".

Eu sabia que sempre me ouves; mas por causa da multidão que está em redor é que assim falei, para que eles creiam que tu me enviaste.   
43
Dito isso, exclamou com voz forte: “Lázaro, vem para fora!” 

.Depois destas palavras, exclamou em alta voz: Lázaro, vem para fora!

Tendo dito isso, gritou em alta voz: "Lázaro, vem para fora!"
E, tendo dito isso, clamou em alta voz: Lázaro vem para fora!   

44
O morto saiu, com as mãos e os pés amarrados com faixas e um pano em volta do rosto. Jesus, então, disse-lhes: “Desamarrai-o e deixai-o ir!”

E o morto saiu, tendo os pés e as mãos ligados com faixas, e o rosto coberto por um sudário. Ordenou então Jesus: Desligai-o e deixai-o ir.

O morto saiu, com os pés e mãos enfaixados e com o rosto recoberto com um sudário. Jesus lhes disse: "Desatai-o e deixai-o ir embora".
Saiu o que estivera morto, ligados os pés e as mãos com faixas, e o seu rosto envolto num lenço. Disse-lhes Jesus: Desligai-o e deixai-o ir.   

4 - Divisão da Pericope:
Após análise das traduções fizemos uma divisão  da Pericope em 7 partes:

Divisão
Versiculos
Fatos
1-6
Jesus  sabe da noticia da doença de Lazaro
7-12
Jesus comunica o retorno a Betânia devido o sono   do Amigo, mesmo com risco
13-16
Os discipulo não comprende a sentido do  sono  que Jesus comenta e  Jesus revela de forma clara a morte de Lázaro.
17-27
A chegada de Jesus a revelação da  sua Natureza divina   e a profissão de Fé de  Marta
28-33
O convite da Irmã  e Jesus se emociana revelando a natureza Humana
34-39
A falta de Fé de alguns  e o  deboche dos judeus  perante Jesus.  Ação de Jesus pedindo para ver a sepultura e ação prática.
40-44
A confirmação da Natureza divina de Jesus Cristo  e anuncio da Glória de Deus.

5 - Textos paralelos 
Temos ainda presente dentro do contexto o paralelismo apresentado no quadrto abaixo:
 
11,Vers
 Paralelos
Fato
1-2
Lucas 10,1-2
Mateus: 26,6-13
Marcos: 14,3-9
João: 12,1-8
A mulher que não possui nome nos outros evangelhos aqui é citada como irmã do falecido.
7
João: 8,59 e  10,31
 A ameaça de apedrejamento sofrida por Jesus.
9
João: 7,8.33; 13, 30 e 17, 1 
A definição de noite como hora da Paixão.
11
Mateus: 9,24  e
 I Corintios
A qui temos a deifinição da doença e da morte.
16
Marcos: :14,31
Neste momento temos a afirmativa dos Apostolos que morreriam com Jesus.
19
João 12,9-17
Em João 11,19 os Judeus  vem consolar as irmãs e  em 12,9-17 eles decidem matar  Jesus e  Lázaro
20-21
João: 11,32
Parece ser uma repetição do Discurso da  Vida
24
Daniel: 12, 2; Atos: 24,15
A Fé   na ressurreição é um fato apresentado no antigo testamento e aqui a citação. Jesus se apresenta.   
26-27
João:6,69; 8,51; Mateus 16,16
Jesus fala da Ressurreição ou melhor da Vida Eterna e acontece uma  profissão de Fé.   
34
João: 11,38
 Lucas 19,41
Aqui temos a  confirmação da Natureza Humana (Jesus Chora)
36
João 9,6
Referência ao milagre da cura do cego.
42
João: 12,30; 17,8-21
Referência a natureza divina de Jesus e o sinal que Ele  é o Senhor da Vida.    
44
João: 20,6
Ao contrário da Ressurreição do Senhor Lázaro sai ainda  amarrado a morte.

6 - Comentario[1]

A questão da Morte e da vida  rodeia o  nosso dia-a-dia e  a pergunta  que nos rodeia é: Porque os justo e inocentes sofrem ou  melhor morrem  todos dias?
Jesus o Senhor da História não  nos salvou para morremos de novo ou para ficarmos atrelados a morte[2],  a missão da Comunidade é  desamarrar liberta aqueles que estão presos ao sistema da Morte, pois, Deus na pessoa do seu Filho Jesus Cristo nos convoca para uma vida Plena[3].  Esse texto Proclamado no 5º domingo da Quaresma do ano liturgico “A” traz a tona alguns personagens.  Os judeus, os discipulos,   o morto, as irmãs e Jesus.  Não sabemos o porque que foi colocado no coração do Evangelho  do Discipulo amado,  são 21 capitulos, 10 antes da morte de lazaro e 10  depois da  Ressurreição deste Amigo de Jesus. 
A Profissão de Fé de  Marta esta no Centro da Pericope[4], revelando os personagem que acreditam e manifestam a confiança mesmo na dor. Temos a certeza que o grande legado que recebemos de Jesus é a certeza da Vida além desta realidade de sombras. A ressessurreição de Lázaro é o último e o grande Sinal do que Jesus  executa confirmando a sua  natureza e a Missão,    narrado no evangelho de João.
Em tempos que amizade é transformada em um jogo de interesse, onde o amor fraterno se esfria, devido  a uma ausência de Deus na vida do ser humano.
 Vejamos cada personagem.
·              Jesus:  revela toda sua condição humana  e se comove pela morte de um amigo, mesmo com o poder de traze-lo de volta e fica indignado pelo deboche dos judeus[5].
·               Os judeus: que ali estavam solidario com a familia em questão  em uma sociedade  onde a mulher não tinha voz nem vez, já almejam o direito de administrar os  bens. Estavam ali a 4 dias consolando as irmãs. imaginemos que não era  pelo simples fato da amizade. 
·              Os discípulos: Se  colocam como aqueles amigos que  ainda não compreende  aquilo que o amigo Jesus de Nazaré  estar para revelar e mesmo sem compreender se colocam a disposição de ir junto para sofrer as consequência. Mesmo que mais tarde, por medo e insegurança venha negar a ligação com o Ele.
·              As Irmãs: Marta e Maria,  São duas mulheres do seu tempo que tem conciência que ausência de um homem na casa, as deixam a mercer dos  falsos amigos e  mesmo na dificuldade. Ousam acreditar e   fazem  uma das mais belas profissão de Fé do evangelho.     
·              Lázaro: O motivo para o texto,   e o nome significa “Amparado por Deus”,  ele experimenta os três dia de morto para dá sentido a missão de Jesus no Evangelho do Discípulo amado. Um pensonagem com  esse nome aparece  em 2 casos na Biblia.  Aquele Homem que é todo chagado[6] e esse amigo de Jesus que conhecera a morte também. 
 Jesus no Evangelho nos faz uma exigencia que é preciso Crer para termos a Vida, e o crer não é apenas pronunciar orações em público,  é preciso passar para ação e condição  real é a do  Amor ao  próximo.[7]  Deus não precisa somente de louvores ou de orações demoradas.  Ele vai conosco e conta com cada um de nós no plano de libertação  e na construção do Reino de Deus[8], ele nos ordena que desamarremos os que sofrem todo tipo de opressão.  Aqui vale para todos que sofrem todo tipo de mal. Em especial mal deste século que a falta de Fé, a depressão e outros problemas e vivem na condição de mortos vivo.   A crise de Fé faz com que  a sociedade  humana  veja a morte como um ponto final. A Comunidade que fez a experiência do Ressucitado, vivendo  dinâmica Paulina: A esperança ão engana, pois o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado[9]. É pela ação deste Espírito Santo que A Igreja caminha a 2000 anos é celebrar a eucaristia e Anunciando a ressurreição de Jesus[10].
Jesus demorou  2 dias[11] para ir ao encontro deste amigo e afirma que morte deste amigo era  para manifestação da Glória de Deus e hoje esse testemunho narrado pelo Evangelista deve ser o nosso motivo de Crer.  Nós somos uma das poucas religiões que pregam uma vida eterna, somos priveligiados pela certeza de uma vida melhor depois desta, Jesus  nos confirma  a nossa vocação para o eterno[12].  E revela uma vida digna onde a condição de ser Humano imagem do Senhor é respeitada em todos os sentidos.
A questão da Amizade verdadeira nos faz pensar,  as muitas situações que vivemos nesta vida. Quantas vezes estivemos na sepultura mortos e sem esperança e um amigo de verdade nos chamou para a realidade da Vida, através de um conselho e removendo as pedras que nos sepultam em vida. Quem de nós não sofreu uma decepção que desejou  a morte como a saida, ou já experimentou a dor de perde  um amigo, filho, irmão  ou alguém que  muito amamos e chegamos ao ponto de desejar sofrer por esse amigo. Sem mencionar  alguns momentos que  ficamos impossibilitados de estar próximos na hora de maior dificuldade do nossos amigos.
Jesus sentiu tudo isso, mesmo sendo Deus, o seu lado humano sofreu toda decepção de não estar próximo daquele amigo naquele momento de dor, na hora mais dificil daquela familia, mas Ele não agiu como um louco ou no desespero emocional. Fez seu lamento,   chorou e consolou as irmãs. Temos a certeza que   Deus no seu infinito Amor  poderia ressucitar Lázaro a qualquer momento,  essa é  a nossa Fé. Contudo era preciso a ação do amigo Jesus Nazaré, confirmando a sua vocação e a  condição de Filho de Deus.
A manifestação da sua condição de  Divina  não acontece de forma isolada. Ele  conta com cada um  da comunidade na remoção das pedras[13] que sepultam os sonhos  e a vida, mas não podemos reduzir a nossa condição a um ativismo de Pastoral ou tão pouco podemos ficar só na súplica e louvor, deixando de colaborar no projeto de transformação da realidade.  Não podemos trabalhar nossa Espiritualidade onde a oração entra em conflito com a ação, é preciso encontramos o equilibrio  para  assim, revelar  de forma Plena  a Divindade  de Jesus de Nazaré no mundo de hoje. 
 O gesto de Jesus é  de comunicar a esperança[14] ao   olhar da realidade comunitária. De encontro a esse fato a comunidade deve acreditar e professar a Fé em comunhão[15] e junto d’Ele em comunhão com o Pai   realizar  uma   ação[16] na libertação do Irmão que esta morto.  Aqui temos  uma  prática Pastoral coletiva  onde todos da comunidade participam de forma direta ou indireta (aqueles que não acreditam)  testemunham[17] a presença de Deus Pai naquele gesto de Jesus Nazaré...  
Quando a comunidade trabalha unida, mesmo com ponto de vista diferente, sem previlégios para esse ou aquele grupo, atuando com equilibrio aplicando de forma correta a contemplação com a ação real, o Pai na sua infinita Misericórdia atende a comunidade e até os mortos ressucitam e a comunidade irá decidir se  desamarrar as cordas da morte ou  deixa irmão  clamando a libertação.        



[1] Mais ou menos 5 minutos.
[2] João11,44
[3] João: 11,43
[4] João: 11,22
[5] João: 11,37
[6] São Lucas 16,19-31
[7] I São João 4,20
[8]  idem nota 1 e  Mateus; 28,16-20
[9] Romanos 5,5
[10] : Romanos:  1,4; 6,5;   I Corintios; 15,12-42 e Hebreus: 6,2; 11,35
[11] João: 11, 6
[12] São Mateus 9,18; São João 6,51 e São João 11,25
[13] João: 11,39
[14] João: 11,23-27
[15] João: 11, 27-32
[16] João: 11,34.39-42.44
[17] João:11,42.45
Loading...

Quem é Daniel Nonato

Minha foto

Daniel Nonato: Um simples mortal,  buscando a imortalidade

Nascido em uma segunda-feira chuvosa a mais de 30 anos no  Municipio de Queimados, Sétimo filho de uma família de 10 irmãos.  Católico Romano desde 1992 (Guadalupano),  participante no  MCC/DNI (Movimento de Cursilhos de cristandade da Diocese de Nova Iguaçu) à 6 anos,   Graduado em História e   formado em Teologia Pastoral no IFITEPS / Diocese de  Nova Iguaçu. Turma 2010-2013

Marcado  por erros de um  passado difícil, acreditando  no futuro  de vitória. Não tem respostas prontas,  mas tem novas perguntas que  serão resposta daqueles que  já existem...

Meus Amigos

Loading...
Loading...